Banco do Brasil vai lançar conta digital para o MEI



Visando alcançar os Microempreendedores Individuais que ainda não são seus clientes, somando atualmente 5,8 milhoes de empreendedores individuais, o Banco do Brasil está lançando a Conta Digital para o MEI, com tarifas a partir de R$ 17,00.

O projeto ainda está em faze de testes, junto a 100 clientes do banco em São Paulo e na Paraíba, para que possam avaliar e fazer os ajustes tecnológicos necessários. A meta é que seja disponibilizado para os demais empreendedores no dia 15 de dezembro.

A Conta Digital será parecida com a Conta Fácil que é oferecida pelo banco para pessoas físicas.

O cliente poderá:


  • realizar Depósitos
  • realizar Saques
  • Consultar Extratos
  • Fazer Transferências.


A movimentação financeira está limitada a R$ 10 mil por mês, por normas do Banco Central.


"A gente veio de um processo bem-sucedido que foi a implementação da Conta Fácil na pessoa física. Em 12 meses atingimos 1,4 milhão de novos clientes", diz Marcelo Labuto, vice-presidente de negócios de varejo do BB em entrevista ao Jornal Folha de São Paulo.


"Isso nos motivou a avaliar uma forma diferente do processo para pessoa jurídica, notadamente o MEI, segmento de clientes que, em períodos de crise financeira, tende a crescer", destaca.

A expectativa do banco é atrair os microempreendedores que não fazem parte dos 1,2 milhão de clientes que o Banco do Brasil tem no segmento.

"Queremos atender o público que procurava o banco e, por causa do processo mais pesado na agência, não conseguia resposta em pouco tempo", afirma Edmar Casalatina, diretor de micro e pequenas empresas.

"A gente quer atingir 30% dos 5,8 milhões de microempreendedores que estão no mercado nos próximos 12 meses", ressalta Casalatina.

MIGRAÇÃO

Como a opção digital não prevê operações de crédito para esses clientes, o banco vê espaço para que, conforme a evolução do negócio e a necessidade de investimento, o microempreendedor acabe migrando para contas mais sofisticadas, que incluam empréstimos.


Para abrir a conta, o cliente terá que enviar, de forma digital, o CNPJ da empresa e a declaração de microempreendedor individual.

"Temos preocupação com a segurança e com o processo de validação de documentos por fontes externas", diz Casalatina.

Segundo ele,o banco tem como verificar a validade do CNPJ com a Receita Federal e com outros órgãos.

"Vamos fazer ainda monitoramento por geolocalização, para saber por onde o cliente está fazendo a operação. Se a empresa aparece como estando no Paraná e a localização mostra que ele está em São Paulo, vamos analisar com um cuidado maior", diz.

Com informações Folha de São Paulo.
Tecnologia do Blogger.